Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Bandalheira Nacional

Bandalheira Nacional

EM PRISÃO DOMICILIÁRIA

06
Out22

As janelas do prédio contíguo estão apinhadas de gente. A viúva do segundo direito vai pondo a conversa em dia com a velhota do terceiro esquerdo. Como ambas perderam capacidades auditivas, abordam vários temas em regime de pura gritaria. Mesmo quando, no calor do falatório, resolvem falar do filho do que habita no rés-do-chão, ignorando completamente que o mesmo está a ouvir a conversa! Na janela do quarto andar uma senhora esforça-se diante do ferro de engomar para conseguir despachar uma pilha de roupa com vincos. No primeiro esquerdo um indivíduo de meia-idade tenta, com tremendas dificuldades, encolher a barriga para conseguir cortar as unhas dos pés. Enquanto isso, impávido e sereno, o antigo pescador – que trocou a linha de mar pelo sexto andar – passa os dias a fumar, enviando as cinzas borda fora. Os serviços noticiosos informam constantemente que urge ficar em casa. Por vezes, mostram um ou outro destemido (perdão, estúpido) que comete um acto irreflectido pondo em risco a sua saúde e a dos restantes…

 

O vírus da China conseguiu encerrar as igrejas e nem mesmo o Santuário de Fátima conseguiu resistir. Lá no Vaticano, na última celebração, o Santo Papa tinha tantos espectadores como eu nas apresentações dos meus livros! O panorama agrava-se com as outras religiões que apostam no contacto presencial aos devotos. Seja para entregar folhetos ilustrados ou falar num dialecto inglês atabalhoado. Porque nesta crise pandémica – fruto dos receios exacerbados – as pessoas optam por circular na estrada com medo de cruzar com outros peões: antes atropelado que infectado! Os números da desgraça são generosos com o nosso país. Porém, é necessário prolongar o regime de emergência e continuar a cumprir com as regras impostas pelos senhores polícias. O clima de prisão domiciliária vai continuar e será a principal causa do aumento dos problemas do foro mental. Principalmente para os que partilham a casa com a sogra.

(originalmente publicado: Abril, 2020)

380) EM PRISÃO DOMICILIÁRIA.jpg

MANOBRAS NO CENTRO DE SAÚDE

28
Set22

Eu – que considero as redes sociais como um mal necessário – até compreendo que, por vezes, consigam ter alguma espécie de utilidade. Porque existe a possibilidade de expor algumas situações mais caricatas e até impensáveis que vamos observando no nosso quotidiano. Neste ponto permitam que "puxe dos galões" e diga, sem falsas modéstias, que até tenho algum jeito para isso. Todos sabemos que há problemas no departamento da saúde pública. O número de doentes consegue ser superior à soma das doenças e médicos disponíveis! E se nos pequenos povoados queixam-se de não haver médicos, a malta das grandes cidades queixa-se de não conseguir falar com eles! É deveras estranho, mas parece que anda tudo doente. Até aqui, nada de novo ou extraordinário. Contudo admito a minha ignorância perante o tema desta crónica. Aparentemente o fenómeno dos açambarcadores de bilhetes, seja para grandes concertos ou clássicos de futebol, chegou aos centros de saúde…

 

As vagas diárias para as consultas abertas são disponibilizadas ao nascer do dia, quando o senhor doutor ainda ressona! Dois ou três felizardos (madrugadores com saco-cama para dormir à porta do edifício) terão o privilégio de estar frente-a-frente com um médico! Os outros repetem a prova de esforço físico no dia seguinte. Mas, neste país de sabedoria laica, há sempre um génio das invenções que, pura e simplesmente, ignora o civismo e também as outras pessoas! Caros leitores pasmem-se, porque há quem esteja na fila para angariar vagas para múltiplas pessoas! Um agiota de consultas (estilo pagador de promessas) que numa única investida arranja consulta para dois ou três estarolas que não gostam nada de filas! Que conceito fantástico! Basta que encontrem um idoso (geralmente, o tipo de vítima escolhida) que durma mal e nem se importe de estar ao relento e fica garantida uma consulta para depois de almoço. Se conseguirem juntar uns trocos o pobrezito agradece. A fina sociedade deste cantinho mostra, claramente, sinais de um crescimento obscuro, maquiavélico e demasiado egoísta. Saibamos nós lidar com isso.

(originalmente publicado: Março, 2020)

376) MANOBRAS NO CENTRO DE SAÚDE.jpg

ESTADO SOCIALISTA VEGETATIVO

26
Set22

 

Sentado em frente ao computador recordo que, nestes últimos anos, temos vivido peripécias capazes de ofuscar o trabalho criativo de qualquer argumentista de filmes de ficção ou comédia. Tivesse ele prestado atenção ao nosso burgo e teria ideias fenomenais para utilizar nos guiões. Não digo que tenhamos o monopólio dos disparates e estupidez, mas seguramente somos protagonistas da maior parte deles! E, por muito que me custe admitir, não vejo qualquer mudança comportamental a longo prazo. Por exemplo, quatro décadas depois, as pessoas ainda não perceberam que podem (e devem) exigir contas aos engravatados que elegeram. Contudo – e apesar da insistência dos serviços noticiosos – continuamos a acreditar cegamente neles! Será obra daquele bruxo (do jornal) que garante que até o tipo mais feio arranja namorada?! A justiça ainda se esforça para encontrar os responsáveis pela tragédia de Pedrógão. O Presidente da Câmara – um dos principais visados – continua, mesmo depois da reportagem televisiva, a distribuir beijos e abraços à população. Tal como Judas antes de entregar Cristo! Para garantir que o mesmo cenário jamais se repetiria o Governo tomou medidas preventivas. A televisão demonstrou que – apesar de tanto dinheiro gasto – a rede “Siresp” está exactamente na mesma! É a chamada coerência: se nunca funcionou condignamente, é deixar estar! Colocou-se em causa a excessiva quantidade de eucaliptos e seus perigos inerentes. O povo percebeu tudo ao contrário porque pegou nas sacholas e, num gesto insano, plantou mais! Os madeireiros e pirómanos agradecem…

 

Tenho certamente mais pontas por onde pegar mas, tendo em conta o tamanho desta crónica, vou avançar para a mais recente trapalhada socialista: as golas de protecção inflamáveis. Para os fãs dos western, máscaras para assaltar bancos! Talvez assim ninguém identificasse os velhinhos quando assaltassem o banco ou posto dos correios para sacar uns euritos e compor a reforma miserável que recebem. Mas não! Mais uma vez, num acto espalhafatoso de impacto imediato, o governo recorreu ao puro desenrasque para mostrar serviço! O fabricante (não-especializado) das “golas” – que cobrou o dobro do valor pela urgência exigida na entrega – afirma não saber qual a finalidade do produto. E agora, que mais uma vez a comunicação social entra em campo, descobre-se que um amigo, que tem um amigo, resolveu fazer a encomenda a outro amigo. Já ocorreram demissões nos departamentos inferiores. Mas, caros leitores, não esperem mais nada! Neste país, governado por um estado socialista vegetativo, basta apresentar a demissão de alguns subalternos (com contrato precário) para ocultar irresponsabilidades, evitar chatices judiciais e continuar como se nada fosse.

(originalmente publicado: Agosto, 2019)

372) ESTADO SOCIALISTA VEGETATIVO.jpg

NA BARCA DO INFERNO

24
Set22

Provavelmente fruto da idade, a verdade é que a memória prega-me partidas e quando estou em frente ao computador esqueço algumas coisas que observei durante a semana. Talvez seja uma boa ideia arranjar um auxiliar de memória. Sempre ficará mais barato que investir (o pouco dinheiro que tenho) naqueles comprimidos do Cogumelo do Tempo. Existe uma terceira opção – muito utilizada em alturas de desespero e aflição – que é pedir ajuda ao Divino. Por estes dias, já a grande maioria esqueceu as promessas feitas no período da Páscoa. Alguns ignoraram a razão do final de semana prolongado e rumaram para uns merecidos dias de descanso. Outros, que até aceitaram abrir a porta à Visita Pascal, estavam mais preocupados com a hora de almoço que em receber o Senhor – até Jesus tem obrigação de cumprir horários! Talvez, quem sabe, seja o reflexo dos tempos modernos: os fiéis querem resultados rápidos e nem hesitam em descobrir atalhos para aquilo que querem. Os dias atribulados não permitem desperdiçar tempo numa cerimónia religiosa que não autoriza o telemóvel ou sequer disponibiliza Wi-fi. Um autêntico sacrilégio para os devotos! E torna-se mais rápido despachar um envelope (com alguns euros no interior) para que se diga, durante a missa, o nome do familiar defunto que perder tempo e dinheiro numa visita ao cemitério. E assim, dito pelo Padre, sempre tem outra importância perante o Criador…

 

A eucaristia deve acompanhar a evolução dos tempos. Se me permitem a sugestão, talvez reduzir à sua duração e tentar interagir mais com os (poucos) crentes que ainda aparecem. Certamente, não sugiro arranjar um coro de gospel ou transformar o sermão num momento de comédia stand-up. Contudo, converter uma missa num musical ao estilo Filipe La Féria (onde só o coro percebe as letras) não me parece ser o caminho a seguir. Por fim, quero recordar que a mensagem deve ser clara, inequívoca e sem qualquer juízo de valor. É estranho ver pessoas com alguma importância, nestas lides religiosas, mencionarem as redes sociais como uma criação maléfica do Demónio (quando têm perfil criado e activo) e agradecer profundamente a importância dos políticos na comunidade! Como se dizia num saudoso programa de televisão: “num havia nexexidade! Valha-me Deuzzz!”. Somos ovelhas tresmalhadas à procura de absolvição. Porém, umas mais desesperadas que outras. Bem-aventurados os pobres de espírito porque, com esta crónica, vou direitinho para a barca do Inferno.

(originalmente publicado: Maio, 2019)

368) NA BARCA DO INFERNO.jpg

HOMO POLÍTICUS

22
Set22

Num mundo justo, com igualdade de oportunidades, teria hipótese de exprimir os meus sentimentos e opiniões num debate radiofónico ou televisivo. Como a realidade é bem diferente, tenho de aturar os peneirentos que têm lugar cativo nesses debates. Talvez um dia me convidem para um qualquer evento público ou consiga vencer o Euro Milhões (sinceramente, entre um e outro, será mais fácil ficar milionário). Como espectador vou descarregando a minha frustração no teclado do computador, ao mesmo tempo que escuto dois comentadores desportivos explicar que os grandes clubes europeus querem contratar o jogador Bruno Fernandes, mas nenhum avança com propostas. Minutos depois, o programa seguinte dá voz a outros dois comentadores políticos que explicam as medidas severas tomadas pelo Governo para resolver a crise energética. Dou por mim a pensar que os grandes clubes europeus deveriam fazer uma proposta para contratar membros do Governo (e demais figuras políticas) em vez do jogador português. Sempre ficava mais barato e uma limpeza de balneário (neste caso, Assembleia da República) vinha mesmo a calhar…

 

Tendo por base o recente arrufo dos combustíveis (no qual se anunciou erradamente o fim do mundo) podemos esmiuçar o fantástico serviço público das forças partidárias e deduzir que, com estes protagonistas, continuamos a reforçar o estatuto de parente pobre do projecto Europeu. Enquanto o PS (Partido Socialista) primou por aniquilar toda e qualquer vontade de imobilizar os camiões – mesmo que os motoristas parecessem figurantes do “Walking Dead” – os outros partidos, pura e simplesmente, desapareceram de cena! O PSD (Partido Social Democrata) demorou vários dias para abdicar do silêncio e só reagiu quando foi criticado publicamente por um militante. O CDS (Partido Popular) teve uma reacção completamente bizarra: apoiou a intenção do governo, agindo como uma filial dos socialistas! O BE (Bloco de Esquerda) também andou por parte incerta. Nunca a Catarina Martins esteve tão insensível com uma manifestação de trabalhadores. O PAN (Pessoas, Animais e Natureza) continuou a celebrar a eleição de um deputado para o Parlamento Europeu. Mais depressa defendem os direitos de um rafeiro num restaurante que um camionista que come dentro do camião! O único que – aparentemente – esteve eufórico foi o PCP (Partido Comunista). Durante uma semana recuaram no tempo para viver os tempos áureos do comunismo puro: a racionalização cingiu-se apenas ao combustível, mas foi algo de incrível e deu para matar saudades. Avante, camaradas!

(originalmente publicado: Setembro, 2019)

364) HOMO POLÍTICUS.jpg

SE CONDUZIR, NÃO DEVA...

20
Set22

Para os que só gostam de ler os títulos dos artigos de opinião quero informar que não há qualquer engano ou erro de impressão. Seguramente vão compreender a relação com o texto, caso queiram ler até ao final! O tema é bastante sério e deixou o país em polvorosa! Neste rectângulo de brandos costumes sempre houve queixas acerca da inutilidade das forças de autoridade. Há um sentimento de impunidade que nos leva a crer que, cada vez mais, cumprir as regras é que está errado. Quando a polícia resolve actuar, o nosso povo no alto da sua sabedoria, prefere dar protecção aos criminosos! Vá-se lá perceber. Por esta altura, todos estão familiarizados com a rotunda de Alfena, em Valongo. Alguns, com o trauma, até juraram não mais lá voltar! Tudo isto porque a AT (Autoridade Tributária) resolveu, em estrita parceria com a GNR (Guarda Nacional Republicana), levar a cabo uma acção de fiscalização para recuperar as dívidas às Finanças através das matrículas das viaturas. Uma vulgar “Operação Stop”…

 

A iniciativa, denominada “Acção sobre rodas”, tinha por objectivo descobrir devedores e convidá-los a pagar. Caso não aceitassem o gentil convite, as forças de autoridade, avançavam com a penhora das viaturas. Houve registos de manobras evasivas e até quem preferisse abandonar carga para escapar. Aquilo, segundo testemunhos recolhidos, parecia um cenário de guerra. A indignação subiu de tom e o Ministro responsável optou por cancelar a operação, salientando que a mesma está prevista e autorizada por Lei. Durante a (curta) duração foi possível verificar que existem muitos esquecidos no que concerne os assuntos fiscais! Afinal, os caloteiros e devedores às Finanças estão mais perto que julgávamos! Contudo, para a opinião pública, as autoridades devem ignorar as dívidas pequenas e focar atenções nos grandes infractores. Ou seja, se o roubo for pequeno não há qualquer problema. Está bonito, sim senhor! Começo a perceber porque existem tantos veículos topo de gama e habitações de luxo nas mãos de engravatados que aparentam ter fortunas e estatuto! Alguns “senhores doutores” foram desmascarados, regressando à boleia ou pelo próprio pé! O Estado não descartou a possibilidade de repetir esta operação e, como tal, fica o aviso: se conduzir, não deva.

(originalmente publicado: Julho, 2019)

360) SE CONDUZIR, NÃO DEVA....jpg

GAZOIL E ZAGOLINA

18
Set22

Abril de 2019. Acabei de cumprir o meu dever cívico numa semana que deveria ser Santa, mas parece controlada pelo Pata Rachada (Diabo). Estacionada à porta de casa encontra-se uma viatura cujo montante investido no depósito de combustível supera, e de que maneira, o seu valor comercial! Atrevo-me a escrever que gastei num único dia o orçamento para o mês inteiro. Olhar para o recibo ainda me dá arrepios! Tudo por culpa da comunicação social que anunciou que o fim do mundo está próximo e será revelado na forma líquida. Em derivados do petróleo. Os que não aderiram à moda ecológica dos carros eléctricos foram obrigados a escolher entre aguentar o combustível disponível ou arriscar uma corrida frenética (com longos períodos de espera) aos postos de abastecimento. A greve dos camionistas de matérias perigosas colocou o país num impasse e bastou um dia para que se esgotassem as reservas de algumas gasolineiras. Um factor preocupante e revelador de uma falta de planeamento e soluções em caso de crise mais grave! Houve registos de voos cancelados por falta de combustível e, claro, com estas coisas grandes que rasgam os céus não convém facilitar…

 

O Governo – já agastado com tanta greve e gente a reclamar dinheiro – decretou o estado de crise energética e activou a requisição civil. Alguns camiões cisterna conseguiram passar as forças de bloqueio com a intervenção e escolta das forças de autoridade. Espero que se lembrem que as viaturas da autoridade carecem de combustível: seria irónico vê-los apeados por falta de “gasoil”! O INEM (Instituto Nacional Emergência Médica) também apelou à generosidade dos que estão nas filas para que as suas viaturas tenham prioridade no abastecimento. Que ridículo seria ver a equipa médica – já de si reduzida – responder às emergências chegando ao local com a viatura ao empurrão ou, tal como no tempo dos Flinstones, com a força dos pés. Se bem que, por vezes, isso acontece. O país viveu um verdadeiro dilema. Não há registo de tamanha preocupação por um líquido que não vinho ou cerveja! Se até agora havia reclamações pelo constante aumento do preço dos combustíveis, agora, com a crise, até podem vender dez vezes mais caro (atenção, não estou a dar ideias!). Os postos de combustível com maior reserva aumentaram os lucros. A dúvida fica por esclarecer: será uma luta legítima de um sindicato ou um plano maquiavélico fomentado por forças ocultas, com intenções políticas?! Enquanto pensam na resposta – e porque deixo a viatura na via pública – vou colocar um aloquete no acesso ao depósito. Não vá alguém, mais desesperado, tentar roubar a minha preciosa “zagolina”.

(originalmente publicado: Maio, 2019)

356) GASOIL E ZAGOLINA.jpg

PAROLOS MAXIMUS

16
Set22

Utilizar o nome “Conan” (sendo que a última consoante não se lê) é sinónimo de coragem. Adicionar o apelido “Osíris” – cuja história é bastante macabra (procurem na Internet, não custa nada) – torna-se ainda mais ousado! Este artista foi o escolhido para representar o nosso país no Festival Eurovisão da Canção 2019. Sabendo que na edição anterior arrecadamos um bombástico último lugar, arrisco dizer que até fiquei bastante optimista com este intérprete. Os fãs mais acérrimos divulgaram o trabalho e, num ápice, as redes sociais transformaram-no numa vedeta. Tiago Miranda dá vida ao artista Conan Osíris. Ao seu lado, João Reis Moreira, o bailarino mais falado do momento e que sidera todos os que o vêem pela primeira vez. A música “Telemóveis” conseguiu o voto do público, que o considerou como um vencedor nato. Não pela música, mas pela polémica: afinal, o rapaz é filho da Internet, fez os seus álbuns no quarto e difundiu a sua música no SoundCloud e YouTube. Foi nas redes sociais que ganhou a sua legião de fãs: primeiro como alvo de chacota, depois como artista de pleno direito. É neste ponto que se traça a fronteira entre os que criticam e os que aplaudem a irreverência e rebeldia…

 

A música “conaniana” gera este efeito: genial para uns, patética para outros. E, enquanto as partes discutem, o rapaz – que veste robes japoneses, ténis berrantes e se adorna com peças de arte – com singles como QMD (Quem me dera que fosse p’ro caral…) vai seguindo por entre os pingos da chuva, com a fama reforçada e ego inchado. O tempo mostrou que foi apenas mais uma ilusão. Uma moda passageira que se tornou viral e, por estes dias, ninguém sabe o paradeiro deste trovador. Contudo, garantiu um legítimo lugar como representante do nosso país e ficou ligado à história da música nacional ao lado de figuras notáveis que, de facto, percebiam de ritmo, notas musicais e instrumentos – características desconhecidas para os seus apoiantes! Nunca me senti representado por esta canção e gostava que a prestação deste indivíduo fosse considerada independente, tal como aconteceu com os atletas russos nos Jogos Olímpicos, e não estivesse associada à nossa bandeira. Mais uma vez somos destaque pelos piores motivos e o raio da parolice parece ser uma qualidade que fazemos questão de exibir constantemente.

(originalmente publicado: Março, 2019)

352) PAROLOS MAXIMUS.jpg

ENTRE SANTOS E PECADORES

14
Set22

As agências de viagens prepararam os destaques para as férias dos mais endinheirados. O ano de 2019 trouxe consigo uma nova tendência na oferta dos destinos. Depois da procura pelos locais de turismo exótico, histórico e mórbido surgiu uma nova demanda por focos de agitação local. E, como tal, os operadores turísticos quiseram despachar os seus clientes – com malas e bagagem – para o município mais badalado: Loures! Os folhetos têm pouca informação sobre o local. É sabido que há tradição no Carnaval e que esteve inserido no pequeno grupo de Câmaras Municipais que escaparam ao domínio dos rosinhas e setinhas. Graças ao jornalismo de investigação de um canal privado (só menciono nomes quando pagarem por isso), esta pacata localidade saltou para a ribalta! Na defesa dos interesses do proletariado – e querendo contribuir para a redução do desemprego – a autarquia contratou, por ajuste directo, os serviços do genro do secretário-geral do PCP (Partido Comunista Português) por valores astronómicos. Desempregado há três anos, o funcionário sentiu-se como um vencedor da raspadinha pé-de-meia! Trata da limpeza e manutenção das paragens de autocarro e painéis de publicidade pela módica quantia de onze mil euros mensais. De acordo com a reportagem, num dos meses, o homem só conseguiu mudar oito lâmpadas e dois casquilhos. Provavelmente, por causa das condições climatéricas…

 

Enquanto se debatia a temática dos excessivos compadrios, influências e completa falta de vergonha, já outra notícia tomava posse fazendo esquecer a contratação abusiva do electricista. No Panamá – e tendo em conta que é preciso justificar o trabalho deste artista da bricolage pública – o presidente Marcelo Rebelo Sousa conseguiu trazer para Loures (e Lisboa) as Jornadas Mundiais da Juventude. A Igreja Católica escolheu este pedaço de terra para receber este evento. O Papa Francisco deverá marcar presença, naquele que é o maior evento juvenil católico do mundo. Os dois autarcas estão mobilizados para trabalhar na requalificação dos terrenos. Todos aguardam o milagre da multiplicação dos euros (desvios orçamentais não incluídos) e, por isso, querem começar a trabalhar para que nada falhe! O mundo (e Deus) vai estar atento e muitos agoiram um iminente fracasso! Contudo, é fundamental reforçar as equipas de trabalho municipais com novas contratações e alguns salários bem chorudos! Alguns familiares do Jerónimo Sousa já fazem fila.

(originalmente publicado: Fevereiro, 2019)

349) ENTRE SANTOS E PECADORES.jpg